A Country and its Environmental Chaos: Oil in the Ocean Blue

GUEST BLOG: IGOR VIEIRA

ENGLISH (Portuguese below)


Though it’s hard to believe, things are more turbulent than ever in Brazil. In recent months, the environmental agenda has been constantly in the news and a chaotic scenario has played out across the country. Oil slicks began to appear on Brazilian beaches towards the end of August, and since then more than 600 tons of oil was removed from beaches along the Northeastern coast. Has this backbreaking work been carried out by the government? No - all this work has been done by volunteers, citizens have been mobilizing for almost two months in countless cities where the oil has appeared.

When the spills first started to appear, scientists started using models to understand the origin of the spill but nothing has been confirmed. However, what is known is that it is not from Brazil and the spill occurred in international waters. The intelligence we have explains a lot: crutially how this oil was transported. This was probably below the surface, making it even more difficult to estimate when the event happened and how this material behaves, as it changes its physicochemical characteristics with time. What has come to the beaches is believed to be only a very small portion of the leaked oil and the highest concentrations are still at the sea. This makes it impossible to know exactly how long Brazilian beaches will continue to receive crude oil. In contrast, even with the removal that is ongoing, some of the material can dissolve in water, causing further environmental impacts further down the timeline.

The greatest damage of the spill will be visible on the coast, staining the sand a putrid black. However, the biggest impacts of this environmental crime are below the surface and largely immeasurable. There are countless dead animals and not all are accounted for or located: it is estimated that for every animal found dead on the shore, at least ten died at sea. Similarly, the soluble part of oil can damage the life of coral reefs and other marine invertebrates; the death of these organisms is basically inevitable.

Thousands of volunteers have been working for weeks cleaning up the affected beaches.

Many without the technical knowledge or the materials necessary, instead they are improvising and thinking on their feet - in an extremely organized way. Young people have been at the heart of the clean up operations, and lead of many of these groups. In Pernambuco state, one of the places where major oil washups are still occuring, online funds for materials are being set up, buses are being chartered to bring volunteers to clean the beaches, and there has been tireless work that makes the scene look like an actual war.


Yet, in some ways it is a war. It is estimated that more than 140,000 people will be directly affected by this disaster, including: fishermen, traditional communities living by the sea, and the majority, women. These people on the frontlines will be hit hardest by the consequences of this environmental crime, as they all make their living directly from the sea. At this point you may be wondering about the Federal Government.

Do you know what the government is doing? Nothing at all.

Civil society are articulating everything. At the beginning of the year, when the current Brazilian administration basically changed all the committees from the Ministry of the Environment, one of the affected was the committee that carried out the governance of National Contingency Plans for oil disasters (which should be activated in emergency situations like this one). Now, with this provision extinct, it is difficult to carry out effective actions to collect the oil at the sea. The government insists that actions are being taken but none can be seen, and there is no transparency in communicating these “actions” coming from the federal scale. Brazil needs to be told that people in the environment ministry are working on solving this problem, we need to be told what resources will be used and how the cleanup will be done. In addition, the government has not yet enacted an environmental emergency in the Northeast, this is clearly essential.

Meanwhile, environment minister Ricardo Salles has been mocking of videos from NGOs that are assisting in the cleanup activities asking them to do the work. Yes, the environmental minister in Brazil was charging civil society for work that should be done by the federal government. Earlier this month, when the situation started to get even worse, President Jair Bolsonaro even declared that “It's not from Brazil, it's not our problem” just because studies showed that the origin of the oil is not Brazilian. The government has made a huge mistake in failing to acknowledge the extent of the environmental impacts generated by this problem and continues to fail us by not giving due assistance and not ensuring the transparency needed to take urgent containment measures.

Ideally, oil in the water needs to be identified before it reaches the coast and intercepted there; allowing the material to reach the coast impacts the entire ecosystem, and is irresponsible and irreversible. 187 regions of northeastern Brazil have already been affected, with approximately 12 protected areas damaged. Not to mention the health consequences of volunteers doing this work, which can be very serious as crude oil is highly toxic. Some ecosystems will take at least ten years to recover, others up to thirty years. Endemic species are at risk of extinction and the situation remains unaddressed with the seriousness it deserves.

The Northeast of Brazil, which is the region most affected by climate change and deals daily with the climate crisis now faces a new chapter in its history: in terms of extent, Brazil is experiencing the biggest environmental disaster in its history but we have been resisting. Despite civil society pressure it is important to say that the population should not be the ones doing this; the population should not have to risk their health to protect our planet. The federal government needs to take action to address what is happening, and the world needs to listen.

If you want to see images of the work of volunteers in the field cleaning the beaches of the state of Pernambuco, you can see the work on instagram at: @pesemlixo and @xoplastico two youth organizations that are doing an amazing work helping to clean the beaches.

Photo Credits: G1/TV Globo

PORTUGUESE

Um país de caos ambiental: óleo no azul nordestino.

As coisas continuam turbulentas no Brasil. Nos últimos meses, a agenda de meio ambiente tem sido constante nos noticiários e um cenário caótico se estabeleceu no país. No fim de agosto manchas de petróleo começaram a surgir nas praias brasileiras, desde então mais de 600 toneladas de material foram retiradas das praias do litoral do nordeste. O trabalho todo tem sido feito por voluntários, cidadãos tem se mobilizado há quase dois meses nas inúmeras cidades onde ocorrem os surgimentos de petróleo.

Desde então cientistas tem usado modelagem matemática para entender melhor o que está acontecendo. Não se sabe a origem do petróleo, o que se sabe, no entanto, é que não é de origem brasileira e o vazamento aconteceu em águas internacionais. Esses dados falam muito, principalmente sobre como esse óleo se transportou, provavelmente abaixo da superfície, deixando ainda mais difícil estimar a data de quando o episódio aconteceu e como esse material se comporta, modificando suas características físico-químicas. Acredita-se que o que tem chegado nas praias seja apenas uma parcela muito pequena do petróleo vazado e que as maiores concentrações estejam ainda em alto mar.

Isso impossibilita saber por mais quanto tempo as praias brasileiras continuarão recebendo petróleo bruto. Em contrapartida, mesmo com a retirada, uma parte do material pode dissolver em água, causando diversos impactos ambientais a médio e longo prazo.É importante destacar que esses impactos não só acontecem nas praias. O maior estrago é visto na costa, mas os reais impactos desse crime ambiental são basicamente imensuráveis. Inúmeros são os animais mortos e nem todos os são contabilizados ou localizados, estima-se que para cada animal morto na orla, pelo menos dez tenham morrido em alto mar. A parte solúvel do petróleo pode prejudicar a vida de recifes de corais e outros invertebrados marinhos, a morte desses organismos é basicamente inevitável.

Milhares de voluntários estão há semanas fazendo mutirões de limpezas das praias afetadas. Muitos sem conhecimento técnico ou materiais necessários improvisando a limpeza das praias de forma articulada e extremamente organizada. Jovens lideram muitos desses grupos. Em Pernambuco, um dos estados onde grandes ocorrências de petróleo estão acontecendo, financiamento online para compra de materiais, ônibus estão sendo fretados para levar voluntários para limpar as praias e um trabalho incansável que faz com que o cenário pareça uma guerra. De alguma forma é uma guerra. Estima-se que mais de 140 mil pessoas serão afetadas diretamente com esse episódio, entre elas: pescadores, marisqueiras, populações tradicionais que vivem do mar. Essas pessoas que estão na linha de frente serão as mais atingidas pelas consequências desse crime ambiental, e todas elas tiram seu sustento do mar.

A essa altura do texto você deve estar se perguntando pelo Governo Federal.


Sabe o que o governo está fazendo? Nada.


A sociedade civil que está articulando tudo. No inicio do ano quando a atual gestão brasileira modificou basicamente toda as pastas e comitês do ministério do meio ambiente um dos afetados foi o comitê que carregava a governança do Plano Nacional de Contingência para desastres com óleo, que deveria ser acionado em situações emergenciais como esta e que, agora extinto, dificulta a realização de ações efetivas para o recolhimento do petróleo no mar. O governo insiste em falar que ações estão sendo tomadas mas não se vê nenhuma delas, não há transparência nas ações vindas de escala federal. É preciso deixar claro quantas pessoas do ministério do meio ambiente estão envolvidas na solução desse problema, quais recursos serão utilizados e como isso será feito. Além disso, o governo ainda não decretou emergência ambiental no Nordeste, isso precisa ser feito.

Enquanto isso, o ministro do meio ambiente Ricardo Salles, no twitter ironizou vídeos de ONGs que estão auxiliando nos mutirões de limpeza, perguntando onde está o trabalho deles nessas ações. Sim, o ministro do meio ambiente foi cobrar da sociedade civil um trabalho que deveria estar sendo realizado pelo governo federal. No início do mês, quando a situação começou a ficar ainda mais grave, o presidente Jair Bolsonaro chegou a declarar que “Não é do Brasil, não é problema nosso”, uma vez que estudos apontam que a origem do petróleo não é brasileira. O governo errou e não admitir a dimensão dos impactos ambientais gerados pelo problema e continua errando em não dar a devida assistência e não garantir a transparência necessária para tomar as medidas urgentes de contenção.

Em um cenário ideal, todo o petróleo que estiver nas aguas precisa ser identificado antes de chegar na costa e interceptado ali, permitir que o material chegue na costa afetando ecossistemas inteiros é irresponsável. 187 regiões do nordeste brasileiro já foram atingidas, delas, aproximadamente 12 unidades de conservação foram prejudicadas. As consequências para a saúde dos voluntários que estão fazendo este trabalho podem ser gravíssimas uma vez que o petróleo bruto é tóxico e nocivo. Alguns ecossistemas levarão no mínimo dez anos para se recuperar, outros até trinta anos. Espécies endêmicas correm o risco de serem extintas e a situação permanece não sendo levada com a seriedade que merece.

O Nordeste brasileiro que é a região mais afetada pelas mudanças do clima e lida diariamente com a crise climática enfrenta agora um novo capítulo de sua história: em termos de extensão, o Brasil vive o maior desastre ambiental de sua história e vem resistindo da forma que pode. É importante reforçar que a população não deveria estar fazendo isso – A população não deveria estar arriscando sua saúde para proteger nosso patrimônio. O governo federal precisa tomar providencias a altura do que está acontecendo.

Se você quiser acompanhar, ao menos através de imagens o trabalho dos voluntários em campo na limpeza das praias do estado de Pernambuco, acompanhe o trabalho nos instagrams: @pesemlixo e @xoplastico

  • Black Facebook Icon
  • Black YouTube Icon
  • Black Twitter Icon
  • Black Instagram Icon
  • Black Spotify Icon